É da personalidade do ser humano, digo, da maioria das pessoas, de subestimar a tecnologia. Apesar de ela estar mais presente em nossa vida do que você possa imaginar, e de ter impactado quase todas, se não todas as áreas de trabalho ao redor do mundo. Ainda há pessoas que a subestimam você é uma delas?

A velocidade que a tecnologia cresce é algo que não podemos mais controlar, nos últimos anos uma das áreas que mais foi “afetada”, foi à área agrícola. A inteligência artificial vem fazendo com que muitos empregos neste meio se tornem desnecessários. Desde caminhões autônomos até drones que, do alto do céu, registram dados importantes das lavouras.

A implantação de Big Data e Inteligência Artificial está cada dia mais perto, na área agrícola ganha destaque e deixa de ser uma novidade do ramo e passa a ser uma ferramenta obrigatória para aumento de produtividade e velocidade em tarefas diárias das empresas. O motivo para que estas implantações tenham surtido um efeito tão impactante, foi a de que a população mundial vem crescendo rapidamente e que as pessoas estão vivendo mais, por conta disto elas acabam por consumir mais por um tempo mais longo. A estimativa prevista é de que até 2050 a população mundial alcance 9,8 bilhões de pessoas (projeção segundo Nações Unidas).

 

Estufa autônoma da Holanda

A universidade de Wageningen, na Holanda, é referência mundial em pesquisas agrícolas e é de lá que nasceu a ideia da estufa autônoma.

– Precisamos repensar o futuro da agricultura, reinventar o modo de produção – observa Simon Vink, gerente de comunicações corporativas da Universidade de Wageningen.

A multinacional chinesa de tecnologia Tencent (5°ª marca mais valiosa do mundo, segundo BrandZ Global) aportou recursos para a universidade, assim como a Google AlphaGo, que também usou sua máquina de inteligência artificial em parceria com a Universade. Foi acompanhado o desenvolvimento de pepinos em uma estufa totalmente automatizada e controlada remotamente. Após o teste foi realizado uma comparação com o modelo convencional de produção e se concluiu que o novo processo possui uma redução do uso de água em até 90%, que o volume de produção se mantém o mesmo em 10% do espaço e bem pouco ou quase nenhum uso de pesticidas.

Levando em conta o crescimento da população e os desafios do cenário mundial, os pesquisadores concluem que este é um caminho sem volta. O aprimoramento destes processos e a implantação destas ferramentas em outros modelos de produção devem levar um tempo até chegar a países subdesenvolvidos, mas chegará, e todos devem estar preparados para não acabar sofrendo com as mudanças, e sim poder aproveitá-las ao máximo.

– Teremos de trabalhar com menos recursos. A ciência dos dados precisa caminhar na direção da agricultura – reforça Arthur Mol, reitor e vice-presidente da Universidade de Wageningen.

 

Uso de Drones para controle de pragas

 

A chamada Agricultura de precisão surgiu a partir do crescimento do uso de Drones na China – país mais populoso do mundo. E vem ganhando velocidade e escala. Com o intuito da coleta de dados que servirão de referência para o trabalho de controle de pragas e doenças, para enxergar coisas além do visível, possíveis stress hídricas e infestações os drones vem tomando espaço neste meio e em outros.

O Brasil atualmente é líder na produtividade agropecuária mundial, com um rendimento de 4,28% ao ano, seguido pela China (3,25%), Chile (3,08%), Japão (2,86%), Argentina (2,7%), Indonésia (2,62%), Estados Unidos (1,93%) e México (1,46%). A Soja está entre os alimentos com melhor desempenho no Brasil.

Confira alguns modelos de drones usados no estado de Goias, no Brasil:

 

 

Conheça o Global Agribusiness Forum no Brasil

A Global Agribusiness Forum ou GAF é um evento realizado pela SRB (Sociedade Rural Brasileira), atual representante do setor agrícola no Brasil. Defendem os produtores de todas as culturas e pecuaristas em conjunto com a ABRAMILHO (Associação Brasileira de Produtores de Milho) e a Maizall (Internacional Maize Alliance). O principal objetivo do GAF é de colaborar em uma base global e abordar as principais questões relacionadas com a segurança alimentar, biotecnologia, gestão, comércio e imagem do produtor.

Outras Associações, Entidades e Foruns que participam do GAF

A ABCZ (Associação Brasileira dos Criadores de Zebu), com a missão de promover o aumento sustentável da produção mundial de carne e leite, através do registro genealógico, melhoramento genético e promoção das raças zebuínas; a ABRAFRUTAS (Associação Brasileira dos Produtores Exportadores de Frutas e Derivados) representando a fruticultura brasileira frente ao mercado internacional; o Fórum Nacional Sucroenergético, entidade que reúne todos os sindicatos e associações dos Setores de Açúcar e Etanol no Brasil; a UNEM (União Nacional do Etanol de Milho) com o objetivo de fomentar o desenvolvimento industrial do etanol de milho no país e a DATAGRO, uma das maiores empresas de consultoria agrícola do mundo.